O WPF está pronto para aplicações LOB?

Antes que eu comece, talvez você esteja se perguntando o que é a sigla LOB. LOB são as iniciais de Line of Business. Quando é dito que uma aplicação é LOB, dizemos que ela segue a linha de uma aplicação comercial. Refazendo então a pergunta, o wpf está pronto para aplicações comerciais?.

Vamos rever um pouco a história. Tínhamos cartões perfurados, depois teclados, monitores de fósforo branco, depois verdes e até laranjados. O mouse então ganhou seu espaço…. lembram de um programa chamado DOSSHELL? Era uma espécie de windows explorer do DOS, muito legal para a época.

Hoje ainda temos o mouse, mas a interação do usuário com um sistema informatizado está mudando. Temos webcams, videos, sons, telas sensíveis ao toque, até ao multi-toque. Os monitores estão cada vez maiores, em alta definição, internet, GPS, wireless. A imersão do usuário em relação ao computador evoluiu em muito nos últimos 15 ou 20 anos.

Acredito que a Microsoft percebeu isso e viu algo no futuro, alguns anos a frente e decidiu apostar em algo novo, substituindo sua plataforma gráfica. Trocando o GDI pelo WPF. O GDI possui suas limitações, a principal que vejo é estar preso a pixels. O WPF por sua vez é independente de resolução e ainda pode utilizar o poder de processamento da placa gráfica instalada no micro para renderizar a interface de um aplicativo.

O WPF também oferece recursos necessários para se criar aplicações que satisfaçam as necessidades visuais dos usuários. Ainda temos aí o windowsforms e vamos continuar a tê-lo por um bom tempo. Mas até quando? Creio que aos poucos ele vai deixar de ser utilizado, mas não por determinação da Microsoft e sim pelas escolhas dos usuários finais.

Imagine que você vai comprar um carro. Você vê um Toyota e um Civic. Ambos são similares em qualidade, recursos e segurança e digamos, tem o mesmo preço. Qual você compraria? Com certeza o que você acha mais bonito. Com as aplicações vai acontecer a mesma coisa. Se você possui uma máquina razoável, e lhe é apresentado o mesmo sistema teoricamente só que um utilizando formulários comuns, e outro usando WPF, permitindo requintes de visualização que melhoram a interatividade com o usuário, com qual você ficaria?

Nos EUA já existe uma grande adoção pela tecnologia. Até mesmo a própria Microsoft a está adontando, como prova de sua estabilidade e segurança. Sabe a nova versão do Windows Live Messenger? É feita com WPF. Até mesmo o Dynamics, um CRM/ERP da Microsoft, já possui módulos em WPF. Essa adesão está tomando lugar.

Outro ponto que me chama a atenção está por parte da comunidade de usuários. Em suas listas de discussão muito se fala em como fazer  a coisa certa. Separar as camada de interface da camada de lógica. Um padrão de projeto, utilizado no desenvolvimento do Blend, é divulgado e espalhado pela comunidade, o MVVM (Model-View-ViewModel). Quando você viu algo assim no início do windowsforms?

Por isso digo, sim. O WPF está pronto para o desenvolvimento de aplicações comerciais. Temos o suporte de uma comunidade muito ativa, componentes, mesmo que de terceiros. Contudo isso não significa que vamos sair migrando tudo, mas, se você têm um projeto para os próximos 3 ou 5 anos, comece já em WPF. Isso porque a oferta desenvolvedores nessa área estará maior, creio eu.

Agora existe um ponto importante. Você desenvolvedor, que não é designer… não fique preso apenas aos recursos visuais que o WPF oferece. Ou, contrate algum designer para fazer a interface pra você. Com WPF isso é facilmente possível. Acredito que cada um deve estar no seu lugar. Um exemplo de uma aplicação WPF é o próprio Windows Live Messenger. Une uma boa interface com uma usabilidade legal. Agora, um exempo de um não tão bom programa WPF para o usuário final é o *Chirp, ou agora chamado Blu. Ele é um cliente twitter, segue o link pra vocês baixarem: http://www.thirteen23.com/experiences/desktop/blu/

Mas porque ele não é bom? Veja a Figura abaixo. O primeiro programa é o Blu. O segundo é o TwitterFox.

Bem, não dá nem pra comparar o visual não é? Mas e a experiência do usuário, a usabilidade da coisa? Em seu blog, Tamir Khason apresenta uma lista dos problemas do Blu:

  • Utiliza 140MB  de memória;
  • Não é possivel ocultá-lo 
  • Não notifica novo twitters sem ter que exibir a janela principal do programa
  • É necessário presscionar um botão update para ser notificado 
  • If you not finished typing, you can either dismiss all text of post it.
  • Não é possível digitar mais de 140 caracteres. Se você cola um texto maior, o texto é truncado.
  • Para operar o programa, é exigido o mouse
  • Não existe uma scrollbar para a lista de twitters exibidos, ou seja, você não pode correr para o último. É preciso passsar um a um.

Vamos ao TwitterFox:

  • 10MB de RAM apenas
  • Ao clicar no “X” ou pressionar ESC, ele é ocultado 
  • Oferece recurso que notifica de novos twitters sem ter que abrir a tela principal
  • Once focused text are become active, expanded automatically and ready to write
  • Você pode digitar mais de 140 caracteres, contudo ele avisa qdo o limite é excedido permitindo que você ajuste o texto.
  • Pode ser operado via teclado.

Para mais detalhes dos problemas funcionais do blu acesse este post: http://khason.net/blog/line-of-business-vs-beautifulness-or-two-dogmas-comparison-as-exemplified-by-two-twitter-applications/ .

Portanto, uma coisa é fato. A beleza de uma aplicação não é tudo… o WPF veio literalmente unir o útil ao agradável. Uma boa aparência com uma grande usabilidade.

Pensem nisso, e comentem, sintam-se à vontade.

Esse post foi publicado em WPF. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s